Saturday, March 03, 2007

Borbulhas e fervuras de mim.

Procuro uma caneta ou um lápis,
mas eles nunca estão por perto
quando minhas idéias vêm à tona,
numa euforia de criança em frente à roda gigante.
Padeço com todas elas dentro de mim.
Uma atrás da outra, em fila indiana.
Ansiosas e ociosas, todas em banho-maria.
Cozinhando a mim mesma.

Se eu tivesse uma caixa de lápis de cor,
sairia desenhando por aí.
Rabiscando muros brancos por pura sorte.
Escrevendo entre as passarelas, os transeuntes, os carros.
Dentre toda sujeira, poemas, poeira e lágrimas.

Ele diz que eu gosto dessa minha melancolia.
Mal sabe que não sem nem viver de outro jeito.
Mau jeito, bem feito pra mim.
Mereci.
Bobeei.
Quase larguei.
Cai.
E guardei tudo aqui por dentro.
Também em fila indiana,
assim como as boas idéias.
Em banho-maria, cozinhando-me.

Fazendo fumaça.
Fazendo graça.
E tudo de graça.

Porque não posso controlar meu pensar.

1 comment:

DIEGO CARZA said...

Luiza, acompanha sempre os seus textos. Também já usei sua moda Ball´s. Escreve um livro logo... uma coletânea talvez? O importante é você não parar de escrever nunquinha!! rs
Sejamos felizes!!